Fotógrafo Carlos Pontalti dá dicas para bons cliques noturnos

1 - Foto Carlos

Um dos maiores receios dos iniciantes na fotografia são os registros noturnos. Acostumados a fotografar de dia, com condições de luz mais propícias, acabam muitas vezes criando barreiras: “É muito difícil”, “Não consigo”, “Minha câmera não é boa para esse tipo de foto”. Com alguns conhecimentos básicos, é possível fazer belos cliques à noite. Para o fotógrafo Carlos Pontalti, professor da Câmera Criativa, “conhecer os limites do seu equipamento poderá lhe ajudar a atingir objetivos com maior precisão”. Mas a principal recomendação é: “Não tenha pressa. Uma boa fotografia nem sempre sairá no primeiro click”. Confira abaixo outras dicas do fotógrafo Carlos Pontalti.

 

O uso do tripé

Para você que gosta de fotos de paisagens noturnas, usar um tripé é essencial, pois evita aquelas fotos tremidas das quais grande parte das pessoas foge. Caso não tenha um, qualquer tipo de apoio sólido e firme está valendo, até mesmo um bloquinho de argila ensacada pode servir para apoiar a câmera e encontrar o ângulo desejado.

Foto: Luíla Vômero

 

A escolha do fundo nos retratos de pessoas

No caso de retratos noturnos, a escolha do ambiente é importante. Dê prioridade aos que tenham fundo iluminado para compor com a pessoa a ser fotografada. Dessa forma, além de um colorido a mais, você conseguirá passar maior noção de profundidade, o que não acontece com um fundo todo escuro. Não se esqueça de que o retratado também merece atenção e, por isso, deve ser iluminado.

 

Equilíbrio entre a luz dos planos

Contrabalancear a luz entre o fundo e o retratado é importante para reduzir a característica artificial que a fotografia pode ter. O equilíbrio da intensidade e direção da luz traz naturalidade para as fotos.

 

Brincar, criar, fugir dos padrões

Arrisque! Faça fotos borradas, brinque com as possibilidades da fotografia. Nem tudo é comercial de margarina com luz uniforme e alta definição.

 

Foto: Luíla Vômero

 

Foto: João Vicente Loss de Toni

 

Conhecer e explorar diferentes fontes de luz

Para fotos noturnas todo tipo de fonte de luz é interessante. Vale estudar cada uma delas para entender qual é a mais adequada ao seu trabalho ou experimento. Podemos nos divertir tanto com a luz natural quanto com a artificial. Lanternas, flashes, leds, luz da lua, das estrelas, pisca pisca, fogueiras e velas são alguns exemplos do que podemos utilizar. Note que a luz contínua, em baixa intensidade, tende a registrar o movimento dos objetos da cena. Diferente acontece com o pulso de flash que, por ser uma descarga de energia intensa em um curto período de tempo, tende a congelar o movimento dos objetos de cena.

Foto: Marcone de Lima Sousa

Foto: Carlos Pontalti

 

Definindo o ISO

De maneira geral, fotografias noturnas tendem a ter ruído, que é uma espécie de interferência eletrônica, aqueles pontinhos que aparecem em nossas fotos e que muitas pessoas confundem com resolução. Se o ruído lhe incomoda, tente trabalhar com valores de ISO mais baixos. Lembre-se de que optando por valores menores, a exposição deverá ser compensada através do diafragma e do tempo de exposição.

 

Paciência, paciência, paciência

Não tenha pressa! Uma boa fotografia nem sempre sairá no primeiro click. Conhecer os limites de seu equipamento poderá lhe ajudar a atingir objetivos com maior precisão.

Desafie-se, arrisque, divirta-se!

Por Andréa Fischer